Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mais Atual

Mais 16% de licenciados desde 2005

A percentagem de jovens adultos (25-34 anos) com o ensino superior aumentou 16% desde 2005 e atingiu os 35% em 2016, de acordo com o relatório "Education at a Glance 2017", divulgado esta terça-feira, em Paris. A meta europeia para 2020 é a de se atingir os 40% de diplomados.

O relatório que analisa dados de 35 países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) também revela que quase um terço dos licenciados em Portugal (28%) formam-se nas áreas de ciências, tecnologias, engenharias e matemática um indicador que coloca o país acima da média da OCDE, que é de 23%. Comparativamente, a Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), Portugal é dos países com a taxa mais baixa da OCDE - tem 1% de licenciados quando a média é de 4%.

Os peritos alertam que o investimento por aluno, em Portugal, é inferior à média do OCDE em todos os ciclos de ensino, especialmente no Superior. Um baixo investimento conseguido graças aos gastos com os serviços essenciais já que a despesa com a investigação é ligeiramente acima da média da OCDE, aponta o relatório.

Ao nível do secundário, cerca de 31% dos jovens adultos entre os 25 e 34 anos não concluem a escolaridade obrigatória. O relatório frisa, no entanto, a melhoria neste indicador já que alargando-se a análise aos adultos até 64 anos, mais de metade (53%) não terminam o Secundário. Aliás, os peritos consideram que a manter-se a atual tendência 90% dos jovens vão terminar o 12º ano. Mais de 96% dos jovens entre os 15 e 17 anos até está inscrito, o problema, alerta o relatório, é que só cerca de metade termina o secundário nos três anos do programa. Ou seja, apesar das melhorias o abandono precoce e o aumento do número de diplomados continuam a ser desafios importantes.

image (1).jpg

 

PUB